sexta-feira, 21 de dezembro de 2012


Minhas propostas para o
Re começo , para um 2013 iluminado !!!!!
1- agradecer por estar aqui
2- festejar com amigos o recomeço e inicio de uma nova era
3- viver com sua familia
4- fazer votos para um REcomeço com muitas novas ações
...
5- viver seu amor de maneira intensa
6- sorrir sempre
7- acreditar que sempre é possivel cabe a voce fazer deste recomeço , um lindo ano
8- comemorar o ano que passou com suas alegrias e tristezas
9- levar seus planos e sonhos adiante
10- SER FELIZ ............... SEMPRE

Texto - Nancy Rabello

domingo, 16 de dezembro de 2012

Bordado a Vida

Ola gente , vou postar aqui o trabalho de uma familia de bordadeiras que tem um trabalho lindo , fazem oficinas em varias comunidades , Acho qie este trabalho é bastante semelhante oa que ja desenvolivi com mulheres Vejam o meu trabalho .
São trabalhos em juta e als , onde as mulhres bordaram seus sonhos.
Agora veja o depoimento de uamdas irmas bordadeiras e seus trabalhos .


O GRUPO MATIZES DUMONT, formado por artistas de uma mesma família, de Pirapora, Minas Gerais, Brasil. Antônia Zulma e os filhos Ângela, Demóstenes, Marilu, Martha e Sávia Dumont. Dedicam-se a Artes Visuais, a ilustração de livros e processos de grupo onde a linguagem é o bordado. Introduziram a arte do bordado nos processo de grupo há mais de uma década, na busca do olhar e da escuta sensível  necessários à humanização, fazendo da improvisação a possibilidade para criar.

 Trabalho iniciado pela Mater Bordadeira Antônia Zulma, hoje são três gerações de bordadeiras, que  inclui as netas. Cores, tecidos, fios, linhas, texturas e grafismos da natureza foram os seus primeiros  brinquedos e desafios para o sonho de criar e fazer arte com liberdade e ousadia. Desenhos e encantamentos vêm sendo bordados a cada santo dia.

O bordado deste grupo hoje ocupa novos espaços e apresenta características muito pessoais. É espontâneo, tem movimento, volume, e nele é possível ver traços da cultura, da biodiversidade e da vida no interior do Brasil.


 Tessitura, urdidura, cor, movimento, forma, imagem, o bordado também é narrativa, expressão da vida, conta histórias. Algumas telas são bordadas especialmente para ilustrar a palavra de autores brasileiros e surgem em forma de livros para todas as idades.

 O seu “bordado em abismo” está em constante evolução e representa desafios à imaginação e à liberdade de criar com linhas pela superfície de tecidos por onde a imagem da fantasia corre brincalhona e solta, espontânea: uma estética própria onde o direito e avesso são valorizados ao formar  inusitados desenhos que surpreendem o preconceito e desarmam a formalidade.

 Estética não traduzida pela linguagem convencional contribui para conferir atualidade à arte milenar do bordado praticada anonimamente pelas mulheres em sua vida doméstica. Transborda porque é brincante: brinca com a alma, com a criação, autoria, com a sensibilidade. Devolve o lúdico à criança interna do adulto.
Marilu Dumont

Vejam que os bordados se assemelham , mas o maneira de fazer a proposta ou  a foram de desenvolver o trabalho pode ser diferente, gostei demais deste trabalho por este motivo postei aqui. Espero que gostem tambem !!!!

quarta-feira, 31 de outubro de 2012


A Ciranda das Mulheres Sábias - Clarissa P. Estés

 Toda árvore possui por baixo da terra uma versão primeva de si mesma. Por baixo da terra, a árvore venerável abriga "uma árvore oculta", feita de raízes vitais constantemente nutridas por águas invisíveis.

 A partir dessas radículas, a alma oculta da árvore empurra a energia para cima, para que sua natureza mais verdadeira, audaz e sábia viceje a céu aberto.

 O mesmo acontece com a vida de uma mulher.

Como a árvore, não importa em que condições ela esteja acima da terra, exuberante ou sujeita a enorme esforço... por baixo da terra existe "uma mulher oculta" que cuida do estopim dourado, aquela energia brilhante, aquela fonte profunda que nunca será extinta

MANDALA...

 "Em regra a mandala ocorre em situações de dissociação ou desorientação psíquica. Em tais casos, é fácil verificar como o molde rigoroso imposto pela imagem circular, através da construção de um ponto central com o qual todas as coisas vêm relacionar-se, (...) compensa a desordem e confusão do estado psíquico."(Carl Gustav Jung)

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Admiro muito esta mulher , sua postura frente aos pacientes e frente a vida ... sua garra seu empenho a busca de novas soluções .
Rubem Alves é incrivel tem muitas frases e pensamentos dos quais compartilho , ele ve o mundo sob um prisma diferente da maioria das pessoas !!!



Olhem esta frase :

"Carpe Diem" quer dizer "colha o dia". Colha o dia como se fosse um fruto maduro que amanhã estará podre. A vida não pode ser economizada para amanhã. Acontece sempre no presente".

Rubem Alves

Portanto viva o dia de hoje intensamente com tudo o qie ele pode lhe dar: Alegrias , Tristezas Realização de um projeto ou não .... não deixe para amanhã, viva o presente !!!!!!

quinta-feira, 23 de agosto de 2012


                 A trajetória e a importância dos contos de fadas.  

 

Venho a algum tempo estudando, e lendo sobre os contos de fadas, um recurso arteterapeutico, que sempre me cativou. Isso porque acredito o quanto suas mensagens propiciam o trabalho arteterapeutico, com as diferentes faixas etárias.

Hoje vou trazer aqui, um pouco desta trajetória dos contos, e a sua importância enquanto recurso arteterapeutico.

Os contos trazem em seu bojo conteúdos da sabedoria popular, é por este motivo que são compreendidos em diferentes locais, independente de idade, raça ou credo.

Quando nos propomos a trabalhar com contos de fadas, é importantíssimo que tenhamos claramente para quem estamos criando as oficinas, o que desejamos atingir, e que conto de fadas favorece este grupo.

Os primeiros escritores conhecidos sobre contos de fadas tinham características que os diferenciavam em relação aos contos de fadas

Conforme explica Gillig (1999) os contos na sua maioria têm a frase “Era uma vez” para dar inicio a história, cujos acontecimentos anteriores não nos são contados, isso porque acontece em um tempo que será iniciado neste momento, e irá findar nas linhas próximas ou paginas. Os contos acontecem fora do tempo real, o conto  contem um tempo histórico, que não é explicito, os contos estão inseridos “no tempo em que os desejos ainda se realizavam”. Sendo assim, não existe nem antes, nem depois, somente o momento no qual se desenrola a história, na qual os heróis, por certo, viverão felizes para sempre; sua moral é ingênua, e tem um final feliz.

 

Os contos têm uma estrutura fixa, partem de um problema que é vinculado a uma realidade que pode ser: a carência afetiva, os conflitos entre mães e filhos, o medo, a solidão, e muitos outros que vão desequilibrar a tranquilidade inicial. O seu desenvolvimento é uma busca de soluções no plano da fantasia, e da imaginação, que acontece com a introdução de elementos mágicos que são: as fadas, os anões, bruxas, duendes, gigantes. A restauração da ordem acontece no desfecho do conto quando há a volta ao real.

 

Os contos de certa maneira favorecem para que entremos em contato com os nossos recursos internos, que nos possibilitam a superação dos obstáculos da nossa vida. Beneficiando a compreensão, e o conhecimento de nos mesmos.

 

Os acontecimentos existentes nos contos de fadas, muitas vezes se assemelham ao nosso cotidiano, e nos fazem ver o quanto eles podem facilitar a identificação, dos que o leem ou escutam os contos, com os seus diferentes personagens.

 

São estes elementos que são comuns a maioria dos contos, que os fazem um ótimo recurso para os atendimentos arteterapeuticos, para os mais diferentes grupos, pois lidam com os problemas, que podemos encontrar no nosso dia a dia, favorecendo então a identificação, destes contos, com a vida real.

 

Os autores como Perrault, irmãos Grimm e Andersen, foram os primeiros escritores a criar ou copilar contos de fadas. Eles trazem nos seus contos temas que eram vinculados à educação dos mais jovens. Nos tempos de Perrault estes contos eram destinados aos adultos, que a noite se reunião nos salões para ouvir histórias, e as crianças , também os acompanhavam , pois eram nessa época consideradas, adultos em miniatura, não tendo uma literatura própria. Os contos eram perversos e não tinham o objetivo de atingir as crianças. Em seus contos Perrault colocava sempre no final  uma lição de moral, pois estes contos eram uma maneira de orientar os jovens.

 

Com a revolução Francesa os contos de fadas perderam sua posição, foram deixados de lado, mas foram os irmãos Grimm que tendo estudado o folclore e pesquisado a linguística, reviveram os contos, mostrando seu valor e importância. Decidiram registrar as histórias folclóricas para que não se perdessem, pois acreditavam que estas histórias traziam a mente das crianças,  no seu estado mais puro , praticamente inalterada.

 

Os contos dos Grimm foram muito criticados pela dureza e pela forma grosseira de como os temas eram tratados, sendo assim, nas edições posteriores, começaram a mexer nos textos, fazendo- os mais adequados as crianças.  (Silva, 2006) Estes autores em sua pesquisa buscam trazer várias versões de uma mesma historia.

 

Andersen era romântico, e traz para os contos que escreve, a noção de justiça e sensibilidade, valores humanos, e amor ao próximo, além dos ideais da fé cristã. Busca mostrar as crianças, por meio da linguagem do coração; em seus contos, a realidade onde existe, tanto a injustiça social ,assim como, situações onde se percebe o egoísmo,  e a falta de amor ao próximo. 

 

Apesar das diferenças entre estes primeiros autores de contos de fadas, sabemos o quanto eles foram importantes para que os contos de fadas chegassem ate os dias de hoje. Nos diferentes conteúdos, e nos seus personagens, os contos trazem a possibilidade de identificação, tanto por parte das crianças, assim como dos adultos, por seus personagens, assim como, pelas situações apresentadas.

 

Por lidarem com os conteúdos de sabedoria popular, essências à humanidade,  é que estes contos, permanecem vivos até nossos dias. Estes contos são uma mistura dos documentos vindos da criação popular, acrescidos da imaginação do autor, retratando desta forma, a cultura da época em que foram escritos.

 

Muitos estudiosos colocam que o conto tem elementos idênticos, um deles é a iniciação, que marca a passagem da vida para a morte, através de uma ressurreição simbólica.  

 

O conto vai lidar com a iniciação, mostrando a luta entre o bem e o mal, os obstáculos que o herói tem a sua frente, os diferentes enigmas que surgem e devem ser resolvidos, equivalendo à descida ao inferno,  e ou a subida ao céu. Desta forma concluímos que, o que é importante no conto não são os personagens, e sim suas ações, o que eles fazem e como fazem. (Von Franz 1990)

 

Paz (1995) enfatiza que os contos de fadas são uma alegoria das passagens iniciativas, onde o herói que se encontra perdido no mundo vai lutar contra os poderes inferiores e enigmas que a vida lhe apresenta, até que encontre após a realização de diversas provas,  os meios para sua própria redenção. Este é, portanto a caminho do herói.

 

Acredito que as mensagens inseridas nos contos de fadas, vão ao encontro dos anseios das diferentes faixas etárias, e trabalham com os dilemas da humanidade, desta forma, independente da idade que nos encontremos,  os contos de fadas podem nos trazer mensagens muito importantes, além de nos possibilitar vislumbrar novos caminhos.

Sendo assim, creio que ao trabalhar com os contos e arteterapia, temos  muitas possibilidades, de  através das oficinas,  levar as pessoas a rever suas vidas, buscar novos caminhos, resgatar sentimentos, enfim fazer com que cheguem até seu eu interior, e desta forma atinjam o crescimento pessoal tão almejado por todos nós.

Em seu livro “A interpretação dos contos de fadas” Franz (1990) coloca que para Jung uma imagem arquetípica não é somente um pensamento padrão (estando desta forma ligada a todos os pensamentos), mas é também uma experiência emocional do individuo.

Os contos de fadas, segundo Jung, dão expressões aos nossos processos do inconsciente, quando lemos ou escutamos contos, estes processos revivem e tornam se atuantes fazendo desta forma, uma ponte de conexão do consciente com o inconsciente. Portanto os contos são importantes na medida em que ativam o mundo do inconsciente, o qual não se tem acesso de maneira consciente.

Nise Silveira (2001) coloca que segundo Jung  arquétipos são possibilidades herdadas para representar imagens similares, são formas instintivas de imaginar.

A noção de arquétipo, que coloca a existência de uma base psíquica comum a todos os humanos, permite compreender porque em lugares e épocas distantes aparecem temas idênticos nos contos de fadas, nos mitos, nos dogmas e ritos das religiões, nas artes, na filosofia, nas produções do inconsciente de um modo geral,  seja nos sonhos de pessoas normais, seja em delírios de loucos.

A palavra arquétipo significa um modelo original. Jung (1973) define arquétipo como sendo os conteúdos do inconsciente coletivo, sendo assim, existem tantos arquétipos, quanto as diferentes situações de vida. Os arquétipos são universais e desta maneira todos os indivíduos terão as mesmas imagens arquetípicas básicas.

Jung coloca: ”Os arquétipos que se caracterizam mais nitidamente são aqueles que mais frequentemente e intensamente influenciam ou perturbam o Ego;  São eles: a Sombra, a Anima, o Animus” (1982, p6)            

A noção de arquétipo, a qual coloca a existência de uma base psíquica comum a todos os humanos, permite compreender porque em lugares e épocas distantes aparecem temas idênticos nos contos de fadas, nos mitos, nos dogmas, e ritos das religiões, nas artes, na filosofia, nas produções do inconsciente de um modo geral, seja nos sonhos de pessoas normais, seja em delírios de loucos.

Há arquétipos que correspondem a várias situações, tais como; as relações com os pais, o casamento, o nascimento dos filhos, o confronto com a morte. E são estas situações ou imagens arquetípicas que vamos encontrar nos contos de fadas. As imagens arquetípicas só têm vida e significação quando tem valor emocional e afetivo para o individuo.

Quando trabalhamos com contos de fadas como recurso , vamos ativar os recursos internos de cada individuo , fazendo com que traga a tona , seus conteúdos interno e inconscientes, para que possam ser visto , compreendidos  e resignificando, gerando desta maneira, novos olhares , sobre velhos problemas, novas atitudes frente vida.   

 

Bibliografia de referencia para este texto

GILLIG, Jean- Marie. O conto na Psicopedagogia . São Paulo: Artmed. 1999

SILVA, Luciana Pelegrini Batista. (Org)  Bruxas e Fadas , Sapos e Príncipes: os contos de fadas em Experiências  arteterapeuticas Wak Editora. Rio de Janeiro, 2006.

SILVEIRA ,Nise da . O mundo das imagens , São Paulo Ática 2001

PAZ, Noemi. Mitos e ritos de iniciação nos contos de fadas. São Paulo. Cultrix / Pensamento. 1995

 VON FRANZ, Marie Louise. A interpretação dos Contos de fadas. São Paulo: Paulus. 1990

VON FRANZ, Marie Louise. O significado psicológico dos motivos de redenção nos contos de fadas. São Paulo, Cultrix, 1980.

 

domingo, 5 de agosto de 2012

Óculos



A vida nos traz muitas vezes alem de bons momentos  ela traz , aborrecimentos, tristezas e magoas, por isso resolvi faz  algum tempo, olhar para ela e para algumas pessoas  com um  óculos com lentes diferentes.

Criei então dentro de mim um óculos especial,  nele há  lente da solidariedade, e do amor, e da compreensão, de  bom humor . Passei a olhar o mundo por meio destas lentes,  e através  delas consegui  ver , que cada um só pode nos dar o que tem, e nada mais que isso.

As minhas lentes não têm o poder de transformar, mas me fazem vê los, talvez  com certa distância , maturidade e acolhimento. Só os vejo, e não tento mais muda los,  só os observo com os óculos que contem lentes novas, que me protegem dos dissabores maiores. 

quinta-feira, 24 de maio de 2012



Estou vendo que temos novos seguidores !!!
Isso me deixa muito feliz .!!
Sempre agradecendo aos meus antigos seguidores que continuam me prestigiando !!!
Esperando que meus textos possam colaborar e ampliar seus estudos ou conhecimentos sobre
ARTETERAPIA .

Sempre que posto um texto o faço com este intuito de trocar conhecimento e experiencias

Ah !!!! por falar nisso,  nosso curso sobre contos de fadas esta com as vagas quase que completas , caso desejem participar enviem um e mail para



Para saber mais informações ou efetuar sua matricula .

Abraços
Nancy Rabello

domingo, 20 de maio de 2012


Os contos de fadas por   trazerem em suas histórias conteúdos universais e por usarem de diferentes simbologias e diferentes arquétipos para nos transmitir suas mensagens são uma ótima ferramenta para o trabalho com arte terapia
Ao trabalhar com os contos e arteterapia, vejo muitas possibilidades de levar as pessoas a rever suas vidas, buscar novos caminhos, resgatar sentimentos, enfim fazer com que chequem até seu eu interior, e desta forma atinjam o crescimento pessoal tão almejado por todos nós. Isso porque os contos trazem os conflitos e junto a eles trazem as soluções.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Homenagem as Mães

Arvore mãe


Olhando da janela da vida se vê uma arvore que se chama mãe

Ela é quem nos acolhe sempre, abre seus braços para nos dar sombra e carinho.

Deixa que nos deitemos em sua sombra, quando o sol é muito forte.  Ou apenas ficar la para descansar. Em sua sombra há lugar para todos.

Nos dá os frutos que precisamos para ficarmos cada vez mais fortes

Ela nos protege sempre... Mesmo fraca é segura, seu tronco nunca enverga, mesmo na tempestade, com ventos fortes,  ela procura nos acolher.

Ela é maravilhosa,  e sei que sempre que eu precisar,  ela vai estar la com seus braços abertos para me esperar

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Olhar Arteterapeutico dos Contos de Fadas como Possibilidade de Transformação Pessoal

Aqui estão alguns aspectos , os quais nos dão base para trabalhar com os contos de fadas e a transformação pessoal

Para Marie Louise von Franz (1990), os contos de fadas espelham as estruturas mais simples e também a mais básica, isto é, o esqueleto da nossa psique.     
Os contos de fadas têm uma linguagem universal que é entendida por todos.

Os contos de fadas segundo Jung dão expressões aos nossos processos do inconsciente, quando lemos ou escutamos contos,  estes processos revivem e tornam se atuantes fazendo desta forma uma ponte de conexão do consciente com o inconsciente  .

terça-feira, 8 de maio de 2012

domingo, 22 de abril de 2012

Parabens aos arteterapeutas !!!!!!!


Dia do arteterapeuta



Hoje é nosso dia.... Penso que esta profissão me fez crescer como pessoa, e certamente isso reflete no meu fazer.



Queridas mestras foram vocês que fizeram com que eu me tornasse hoje  mais realizada,  e mais feliz com o que faço , pois me ensinaram este caminho, no qual aprendi muito, e sei que ainda tenho muito que aprender.



Sinto uma alegria imensa, ao ver que pude como arteterapeuta ajudar e abrir caminhos, mostrar novas possibilidades de olhar para a vida à algumas pessoas.



O fazer arteterapeutico me mostra como podemos ver o mundo através de vários símbolos, de metáforas e trazer à tona o que estava na sombra, e trabalhar com eles conteúdos transformando os.



Portanto, parabenizo a todos aqueles que comigo, tem compartilhado este fazer, com quem tenho aprendido e ensinado.



Parabéns  !!!!!!

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Pàscoa ... passagem ... transformação

Estamos na páscoa,  e PÁSCOA para mim significa passagem ...E passagens existem muitas, da ignorância para o saber, do desconhecimento para o conhecer , da dor para alegria ... E vice versa.  É a transformação, a mudança de uma fase,  para outra de nossas vidas.  Durante a minha vida já tive muitas passagens, umas muito dolorosas, outras menos, algumas alegres, outras nem tanto.

O processo arteterapeutico também pode proporcionar esta passagem, esta transformação,  a mudança de modos de olhar a vida , a transformação do que era inconsciente para a consciência . Trazer novos olhares, novos focos.

Penso que cabe, portanto ao arteterapeuta,  favorecer este transformar , dar as ferramentas para que cada um de nos,  possa fazer a passagem que necessita para seu crescimento interior , para seu auto conhecimento.

Nos atendimentos que já fiz, já presenciei muitas transformações, as quais pude ajudar , mostrar o caminho a ser trilhado ,,, ajudar a tirar as pedras do caminho. Isso é muito gratificante, é maravilhoso,  e nos da forças para caminhar mais um pouco, dar um passo a frente.

Acredito que o nosso papel seja este, o de caminhar junto, mudar junto, abrir os caminhos, e fazer valer a pena passar pela vida... Temos as ferramentas... Portanto é só saber usá-las de maneira adequada, de coração aberto, fazer com que cada um a seu tempo,  e a seu modo,  faça a sua passagem , se transforme,  e viva a sua Páscoa.

Desejo a todos que por aqui passam   uma Feliz Páscoa , e que ela seja significativa para sua vida ...

                                                                         Nancy Rabello

sábado, 31 de março de 2012


NOSSOS CAMINHOS ....



Penso que durante nossa caminhada, sempre existirão pedras , algumas grandes, outras pequenas , aquelas que nos machucam , aquelas que nem nos apercebemos delas , mais muitas delas podem nos ajudar a trilhar o nosso caminho ,fazendo que passemos de um lado ou do outro , as pulando ou passando por cima , portanto , eu declaro que de agora em diante , vou pegar todas elas e guardar , e no fim deste caminho quem sabe , se serão elas que irão me ajudar a construir meu castelo : de sonho , de sabedoria , de amor infinito .



Acredito que cada individuo faz o seu caminho, e busca nele suas realizações, no meu caminho pessoal , assim como, no profissional , tenho encontrado pedras , caminhos arduos , assim como belos caminhos , com arvores floridas e uma boa sombra para descançar e pensar .



Estou ainda trilhando o caminho de arteterapeuta , que tem me mostrando muitos trilhas interessantes , vou caminhando por elas , e as vezes não encontro saida , retorno ... continuo ,... não vou desistir ... sei que ainda tenho muito a percorrer , mas sou persistente .... vou continuar ... sempre buscando os caminhos que me proporcionem , uma conquista pessoal, que me diga...Viu valeu ......



terça-feira, 20 de março de 2012

Amigos a vida vai nos ensinando a viver. Com a arteterapia e a maturidade aprendi muito, sendo assim , este texto faz parte de meu processo de crescimento !! e maturidade frente a vida e as pessoas

Óculos

A vida nos traz muitas vezes alem de bons momentos  ela traz , aborrecimentos, tristezas e magoas, por isso resolvi faz  algum tempo, olhar para ela e para algumas pessoas  com um  óculos com lentes diferentes.

Criei então dentro de mim um óculos especial,  nele há  lente da solidariedade, e do amor, e da compreensão, de  bom humor . Passei a olhar o mundo por meio destas lentes,  e através  delas consegui  ver , que cada um só pode nos dar o que tem, e nada mais que isso.

As minhas lentes não têm o poder de transformar, mas me fazem vê los, talvez  com certa distância , maturidade e acolhimento. Só os vejo, e não tento mais muda los,  só os observo com os óculos que contem lentes novas, que me protegem dos dissabores maiores.

                                                                                              Nancy Rabello

quinta-feira, 8 de março de 2012

A todas as mulheres ...que admiro . Parabens !!!!